Repertório de actividades da área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona (Lisboa)

.posts recentes

. Lançamento do livro "Uma ...

. ...

. Visita à Sinagoga Sharé T...

. NOVO ANO LECTIVO - NOVAS ...

. Apresentação do livro de ...

. Seminário Aberto com o Pr...

. Dissertação de Paulo Mend...

. Encontro “Diversidade Cul...

. Globalização e Ayahuasca,...

. Do Caos à Ordem: Mitologi...

.arquivos

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Agosto 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Sexta-feira, 29 de Outubro de 2010

Visita de Estudo a Guimarães - Grupo

Para ficar na memória... o grupo da ULHT e da ULP que visitou Guimarães nos dias 23 e 24 de Outubro. A fotografia foi tirada no Museu Martisn Sarmento.

          

publicado por Re-ligare às 18:00
link do post | comentar | favorito
Domingo, 17 de Outubro de 2010

In Memoriam Alfredo Margarido

In Memoriam

Alfredo Margarido

 

Naquele fim de tarde de Outubro de 2000, compassadamente, entrava na Lusófona, e, entre «o temor e o tremor» das minhas íntimas elucubrações, ia-se-me esvaindo o ânimo. Era o meu primeiro ano, e ia assistir à minha primeira aula de «Epistemetodologia das Ciências Sociais e Humanas»!

Levara dias a treinar a dicção de tão intrincada denominação disciplinar, mas pior… não conseguira deslindar, nos inúmeros léxicos percorridos, o significado de tamanho palavrão. Associava essa dificuldade à mediocridade dos corriqueiros dicionários que, afinal, não haviam sido feitos para gente «grada» da academia que outras exigências requereria! Quanto mais difíceis as terminologias, mais sabedoria e competências, com certeza, envolveriam! E nisso residia a minha motivação. «O temor e o tremor» eram os laivos da minha verdade íntima que tendiam a desfeitear-me, semeando no meu íntimo a desconfiança pelo bom sucesso do meu empreendimento, lembrando-me os anos… a natural decrepitude física… os tempos que já eram outros… para quê estudar agora… o futuro que já nada tinha… o passado que me havia gasto… a inutilidade de tudo isto… a insensatez de um esforço… para nada!

E, neste cogitante apresso, lá encontrei a sala de aula. Estava repleta! Acomodei-me como pude e fixei-me no mestre de tão elevada cátedra – a da Epistemetodologia – a cujo estranho apelido – Alfredo Margarido (bizarro «masculino» da bela flor) – atribuí uma estreita correspondência com a dificuldade encontrada na busca do significado para o nome da disciplina! Tudo isto fazia sentido: se me parecia estranha a Epistemetodologia não o era menos o Margarido!

Sustive-me, mais expectante que calmo. Arregalei-me para o mestre, com o propósito de não lhe perder nem uma vírgula. Aquilo cheirava-me a aula «a sério», «de universidade»!...

– Tomem lá atenção! Eu sei que há aqui alunos de várias proveniências – de Arquitectura, de Sociologia, de História, de Ciência Política… e, olhem, até de Ciência das Religiões – por isso, o primeiro cuidado que vamos a ter é com o vocabulário. Cada ramo do saber tem o seu próprio vocabulário, e nós, aqui, vamos ter de fazer uso de um que sirva a todos.

Comecei a ficar mais calmo. Ele, afinal, tinha-nos, particularmente, em conta!...

Aquele ar reservado e grave, engrossado por uma máscara de intensa vivência septagenária, logo à partida, já me antevira arredio.

– Vamos começar pela ordem natural das coisas, ou seja, pelo princípio. Neste caso, pelo nome desta Disciplina – Epistemetodologia. Não vem ao caso saber quem é que teve a «(in)feliz» ideia de lhe chamar esta coisa esquisita e redundante. Dizer Epistemetodologia é o mesmo que dizer E-pis-te-mo-lo-gia. Todos sabem que a Epistemologia não é outra coisa do que a Teoria do Conhecimento cujo objecto é o estudo crítico da Ciência. Ora, como todo o estudo exige um método, é suposto que também a Epistemologia tem o seu método, por isso, era escusado meterem-lhe no meio um conjunto de sílabas que aludem ao método, só para complicar e tornar-lhe mais velado o sentido. Primeiro ponto, pelo facto de tão complexa palavra – Epistemetodologia –, estar no currículo, não a podemos de lá tirar, mas se tiverem alguns pruridos e não quiserem, lá fora, passar por pretensiosos eruditos, esqueçam-na! Porque do que vamos falar é da vida, das coisas correntes de cada dia, de todos nós, da cidade, do campo, dos meios urbanos e dos meios rurais. E das pessoas que os habitam, das suas relações e inter-relações, dos seus hábitos e costumes, do seu analfabetismo, iliteracia e culturas diferenciadas.

Olhem, o mestre começou-se-me a metamorfosear em Professor, e, pela tão positiva transformação que as suas palavras me causaram, ia-se-me esvanecendo a negativa imagem caracteriológica que eu lhe havia aposto.

Aquele semestre valeu-me por anos! E retenho algumas pinceladas sedimentais das tão condimentadas aulas:

– que o «bombordo», para os meus boçais compatriotas provincianos das primeiras demandas, era o lado mais aprazível dos navios pois lhes entretinha o olhar pelas praias e serranias costeiras, iludindo-os do afastamento e dos desconhecidos e pavorosos terrores oceânicos;

– que mulatos, cabritos e pardos são denominações de minorização categorial, apostas a seres humanos, por zoomorfização, e a que o homem «modelar» moderno recorreu para a classificação do «outro», diferente de si ou «que se lhe assemelhava», sabia-se lá porquê!…;

– que a globalização foi marcada por uma troca intraplanetária, enganosa e injusta, de «produtos» não equivalentes, determinando beneficiados, de um lado, e prejudicados, do outro: os Europeus deixaram, no Novo Mundo, a sífilis e a tuberculose, e trouxeram para o Velho Continente novos frutos e sementes (batata, milho, etc.); levaram reles panos coloridos e bugigangas e trouxeram prata, diamantes e ouro;

– que o mais eficiente veículo (in)formativo das novidades do mundo exterior, das modas e dos urbanos costumes – de uma forma continuada e de efeitos mais profundos, na sociedade rural, durante os séculos XVIII, XIX e ainda no XX – não foi nada a Rádio, nem os jornais, nem sequer o comboio, como atestam os livros de discurso oficial; foi a «criada de servir» e o seu vaivém, da cidade para o campo e do campo para a cidade. Ela sim, foi a grande lufada de ar modernizador do mundo rural. Para lá carreou a preciosa informação dos «modos» civilizados, das variadas técnicas e arranjos domésticos, do amanho das roupas, dos açucarados pitéus culinários e das bem condimentadas ementas citadinas, da etiqueta, do «saber estar», do «saber andar», do «saber falar», do «saber sorrir». À «criada de servir» impõe-se um reparo de gratidão, nesse precioso trabalho de ligação da cidade ao campo, nessa veiculação dos sofisticados códigos sociais!

Bem se entrunfava o Samuel, acolitado pelo Barata e pelo Emanuel: «que não tinham paciência para ouvir discursos sobre as criadas de servir, sobre os pretos e os mulatos, sobre as doenças venéreas dos navegantes!... etc., etc.» Mas, felizmente, de nada lhes serviam os murmúrios dos intervalos, pois na «torna viagem» para a aula:

que despautério é esse de, a cada passo, os discursos dessa nova burguesia endinheirada se referir aos naturais, oriundos das antigas colónias, como de imigrantes de 2.ª e 3.ª geração? Tomem nota: não há 2.ª nem 3.ª, nem 5.ª gerações. Isso é discurso xenófobo e reaccionário, para perpetuar nos que aqui nasceram (de pais imigrados) o estigma de imigrante. Quem nasceu cá é filho de cá, é português. Esse discurso só tem um objectivo: guetizar! Não aceitem isso!

– é verdade que, em qualquer transporte público, acontece ver os jovens africanos (mas também as pessoas de origem rural), moverem-se, andarem e sentarem-se de forma que parece não respeitarem os circunstantes. Aprendam a «ver», a «observar», isso não é sinónimo de agressividade; isso é falta de conhecimento dos códigos sociais urbanos, a que chamam «da civilização». É algo que se aprende, vendo fazer. O domínio dos corpos e a sua disciplina (gestual e vocal) não tem nada a ver com carácter de humanidade; tem a ver com codificação cultural. É esse trabalho de observador e identificação que se exige a um estudioso do social.

– agora, um PONTO IMPORTANTE: quase todas as palavras do dicionário podem ser ditas, empregues e entendidas com mais do que uma significação (a essa característica chama-se polissemia). Tendo isso, SEMPRE, em consideração, apelo ao BOM USO das palavras, ao seu uso, com a propriedade que lhe cabe para cada momento, circunstância, texto, motivo, razão, intenção. Só usando esse poderoso instrumento que é a PALAVRA, com propriedade, sereis entendidos e o vosso discurso (oral ou escrito) surtirá o efeito que desejais naqueles que vos ouvem ou lêem.

Estas foram matérias de lastreamento do primeiro ano, que me abriram janelas, perspectivas, horizontes de pensamento e reflexão que, tão cedo, não esperava! E os meus companheiros de carteira, aos pouquinhos, lá se foram rendendo.

O segundo ano já «piou mais fino»! Eu, ao Prof., já lhe tinha tirado o «retrato» de todos os ângulos. Os azimutes tinham sido todos traçados e aventurei-me pela Socioeconomia Política do Mundo Contemporâneo como quem vai visitar portos que já foram ancorados.

Num primeiro momento, desancámos nos Americanos, até lhes vermos as ligações tendinais, e o pretexto por mim escolhido foi «A Depressão dos Anos Trinta», a tal crise de 1929, que mudou o Mundo. Hoje, uma noite de Outubro de 2010, ao voltar aos textos que então redigi, solta-se-me um desabafo – que gostaria de partilhar com o Professor Margarido – pela inevitável comparação a que sou forçado com a situação actual: «O mundo já viu este filme nos anos que antecederam a Crise de 1929.» Novamente, «a acção dos monopólios e dos cartéis, que, à revelia dos interesses comunitários, se sobrepõem às leis da livre concorrência dos mercados, atingindo o poder de compra dos consumidores».

De seguida, o enfoque viu-se revestido de algum anticlericalismo – que não deixava de agradar ao Prof. – e o pretexto foi «O Sustento do Clero e Instituições Religiosas», que começava assim: «Embora reconheça a despropositada ambição do título desta reflexão para tão fraco saber, espero que o esforço de clareza da redacção possa, de certa forma, iludir as insuficiências de conteúdo.» Sei que o Prof. nada dado a exibicionismos dos alunos ficou agradado pela rasteira entrada. E, então, também a seu contento, só houve que fazer levantamento dos aspectos mais clamorosos, envolvê-los das circunstâncias de contexto, problematizando, aqui e acolá, e concluir: «Depusemos algumas palavras, aflorámos alguns aspectos, tocámos alguns problemas, mas ficámos com a noção de quão à superfície nos quedámos!»

A partir daqui, só me faltava o Prof. convidar-me para um cafezinho no Bar. Mas, nem duvidem, pois foi o que aconteceu, e não foi só uma vez… foram muitas!…

E foram muitas também as conversas… conversas sem fim… Aliás, com Alfredo Margarido, as conversas nunca tinham fim… Mia Couto, diria que «iam finuando» (findavam… continuando). Eu e o Simão, tivemos aulas-conversa com o Prof. Alfredo Margarido, a sós, durante um Semestre. Foram momentos de diz-que-diz que não esquecerei, com picos de reprimenda, de truncosa argumentação.

Mas, ouça lá, você que até parece um aluno responsável, onde é que ouviu ou onde é que leu isso? Isso é uma barbaridade, uma leviandade intelectual, uma falácia… olhe, isso… foi inventado!

– Mas, ó Professor, está na Net, eu tenho…

Tem, mas não devia ter, nem devia perder tempo com porcarias que há na Net!... Eu logo vi… na Net!... Ó homem, discernimento e maturidade é o que é necessário para andar na Net!... para se ver logo o que é científico e o que não é. Bem… continuando…

– É verdade, o Professor, lembra-se do doutor Armindo Rodrigues, o poeta? (Ao poeta Alfredo Margarido falar-lhe de um concorrente das musas, era pôr óleo no braseiro!) Ele era um grande marxista, um homem solidário… Tinha um consultório em Alfama e até dava consultas gratuitas, ao povo, claro! Não era?

Mas ouça lá, donde é que você conhece o Armindo Rodrigues?

– Sou gráfico, de carteira profissional, e conheci muita dessa gente das letras. O doutor Armindo era um dos clientes que ia à gráfica onde eu trabalhava, mandar fazer os seus livros de poemas.

Poemas!... Poemas!... Você sabe lá o que são poemas!... Olhe, um belo poema era esse «poeta». Bem, lá fazia a sua caridadezita… um só dia por semana!... para sossegar a consciência, e, enquanto esperava os pacientes, ia juntando umas linhas… E, como tinha dinheiro (os médicos ganham o que querem!...) mandava fazer os seus próprios livros… Só!...

– E o Leão Penedo, e o Rogério de Freitas, e o Mourão-Ferreira?

Malta da coboiada, fundaram para lá a Artis… pregaram uns quantos calotes e… uns morreram quase à fome ou tísicos… O Mourão-Ferreira não, esse vendeu a alma aos burgueses do 25 de Abril!... Poetas?!... Falem-me de Pascoaes!... De Editoras?!... Falem-me da Guimarães!...

 

Seguiram-se ainda outros «temas», muitos… até o da chuva artificial que lhe causou fúrias de indignação que quase o desfiguravam, por alguém, na Universidade, acreditar nisso.

Depois, infelizmente, as aulas acabaram… e acabaram as anim(adas)osas conversas com o Professor Alfredo Margarido!

Ainda o encontrei duas vezes. Uma delas, para lhe oferecer um Calendário das Religiões que ele aceitou com tão visível agrado que, ao agradecer-me, teve necessidade de acrescentar: «Vou lê-lo todo com muito gosto!... Parabéns, e, pelo aspecto, acho que deve ter sumo!» Uma segunda vez, nas escadas da Faculdade de Letras, mas só deu para um caloroso cumprimento, apertando-me a mão e o braço e desejando-me muito proveito pelo esforço na academia.

Nem sei se lhe respondi, pela comoção que me causou o calor afectuoso da sua saudação e augúrios.

Não o esquecerei e daqui lhe respondo, agora: DESCANSE EM PAZ, MEU CARO PROFESSOR. CONQUISTOU UM LUGAR NO MEU AGRADECIDO CORAÇÃO!

              

Rui Oliveira

publicado por Re-ligare às 16:17
link do post | comentar | favorito

..

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds